Tagus Natura
Associação para a Defesa e Protecção do Estuário do Tejo


   Home

   Missão

   Associados

   Orgãos Sociais

A reserva e a zona de protecção
A Reserva Natural do Estuário do Tejo é uma mancha húmida, à volta dos Rios Sorraia e Tejo, peculiar poiso de uma vastíssima fauna, constitui a mais nobre porta de entrada, a sul, da Região de Lisboa. A ZPE- Zona de Protecção Especial do Vale do Tejo, em que se encontra incluída a Reserva Natural do Vale do Tejo, é uma zona húmida à volta dos rios Sorraia e Tejo e é considerada uma das dez zonas húmidas mais importantes da Europa para as aves marinhas, cerca de 100.000 aves passam aqui o Inverno. É bem provável que durante uma visita, surpreenda um bando de elegantes flamingos rosa a levantar voo. Por terras de Benavente, Vila Franca de Xira e Alcochete, englobando os vastos campos da Companhia das Lezírias, a Reserva Natural do Estuário do Tejo exibe à vizinha grande Lisboa o respeito e a paixão pela natureza das gentes ribatejanas. Aqui é onde começa o solar taurino da Raça Brava.
 




Flora
O visitante pode respirar a tranquilidade das vastas planícies, junto à foz do rio Sorraia, ou apreciar as espécies herbáceas e arbustivas, ricas em componentes de produtividade, que se desenvolvem, especialmente, nas zonas mais húmidas. A Spartina marítima, Sarcocornia fruticosa e Halimione portulacoides são sem dúvidas as mais importantes na formação de vegetação superior.


 

Fauna
De uma paisagem única espreitam as mais belas espécies aquáticas. É o que acontece no Estuário do Tejo. Porto de abrigo das mais variadas aves aquáticas - alfaiate, perna-longa, garça-vermelha e pequena, garça real, águia-sapeira, andorinha-do-mar-anã, flamingo, patos-reais, maçaricos, borelhos colhereiro, a gaivina-dos-pauis ou os patos (zarro, marrequinha, pato-real), que fazem a sua "aparição" sobretudo no Inverno, o arrabio, o pato-trompeteiro ou a rara águia-pesqueira - aqui acorrem também várias aves migratórias, que aproveitam as excelentes condições que este rio apresenta durante todo o ano. É também habitat do coelho bravo, lebre, raposa, javali, lontra, Ginete, sacarabos, techugos, perdiz, Narceja, Pombo bravo Rola, Galinhola, Cizões e Abetardas. Zona por excelência de criação do touro bravo e cavalos, como o lusitano e o cavalo do Sorraia, espécie bastante antiga, descendente do cavalo Mongol, existindo hoje em dia um numero reduzido de efectivos.



Associação para a Defesa e Protecção do Estuário do Tejo
Rua do Amparo, nº 19, 2135-271 Samora Correia
info@tagusnatura.org



Online desde 2005-10-15 | Última actualização em 2016-07-09.
[ Powered by ariete-ii.org ]